Produção de evento, assessoria de imprensa e criação de conteúdo para o site e redes sociais da EMBRAPII

DESAFIO
A EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) participou, pela segunda vez, do principal evento de inovação da América Latina – o 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria –, realizado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas (SEBRAE) nos dias 10 e 11 de junho no São Paulo Expo – (Imigrantes), em São Paulo.
 
Na primeira participação da EMBRAPII no Congresso, em 2017, a instituição não tinha projetos finalizados. Mesmo assim, uma solução em Realidade Virtual sobre o Flat Fish, um dos seus mais famosos projetos, além do modelo EMBRAPII de Inovação, foi apresentada aos visitantes. Agora, em 2019, com mais de 700 projetos, finalizados ou em desenvolvimento e 159 pedidos de propriedade intelectual e patentes, a ideia foi apresentar projetos finalizados nas mais diversas áreas de atuação em Competências Tecnológicas – Saúde, Agricultura, Cosméticos, Manufatura Avançada e Indústria 4.0, Soluções Embarcadas, etc.   A EMBRAPII teve um lugar de destaque na área destinada aos Parceiros da Inovação, com um estande de 20m². A diretoria da EMBRAPII selecionou alguns projetos e 11 deles foram expostos no Congresso.
 
SOLUÇÃO
A Atelier de Imagem e Comunicação começou os trabalhos deste projeto em janeiro, quando foi realizada a primeira reunião entre CNI, Capacitá (empresa responsável pela realização do evento), Atelier e EMBRAPII (por vídeo conferência), na sede da Atelier, em São Paulo. Desde então, a agência tomou a frente no contato diário com os organizadores do evento, com o arquiteto do evento, com as Unidades EMBRAPII e com as empresas parceiras, além de contatar e levantar orçamento com diversos fornecedores. Todos os passos, atividades e tomadas de decisão foram reportadas à coordenação e à direção da entidade.
 
Os projetos possuem tamanho e necessidades diferentes e, portanto, a Atelier sugeriu ao arquiteto montar totens com tamanhos e alturas variadas, para comportar individualmente cada um deles. A proposta foi deixar o estande mais leve, com ideia de movimento, para que os visitantes pudessem caminhar entre os projetos para conhecê-los e conversar com os responsáveis sobre cada um deles.  Os projetos foram ainda identificados com placas com o Nome do Projeto, a Unidade EMBRAPII envolvida e empresa parceira.
 

 
A Atelier sugeriu ainda que uma comunicação visual fosse feita na parede interna do estande. Foram criados dois painéis diferentes, com o logo da EMBRAPII e Áreas de Competência em um deles e a frase “Inovação para o Brasil do Futuro” e os logos do Governo Federal no outro. Uma TV no centro do estande rodava vídeos institucionais e de depoimentos de forma randômica.
 
Além disso, para chamar a atenção para os projetos que foram expostos no estande e, também, para falar sobre a EMBRAPII, houve divulgação maciça na imprensa e alguns produtos gráficos foram criados para serem postados nas redes sociais e site da instituição. Fotógrafo e videorrepórter produziram diversos materiais (mais de 500 fotos) e 21 vídeos foram publicados nas redes sociais da EMBRAPII.
 
O objetivo do trabalho da comunicação foi o de divulgar a imagem da EMBRAPII como uma organização que estimula o setor industrial a inovar mais e com maior competência tecnológica e apresentar exemplos de resultados, por meio de 11 projetos expostos em seu estande.
 
Foram realizadas reuniões prévias envolvendo profissionais da assessoria de imprensa e redes sociais com representantes da EMBRAPII para elaboração e alinhamento de planejamento estratégico. Na assessoria de imprensa, o trabalho de divulgação se iniciou na segunda quinzena de maio com a apuração de informações em todas as unidades e empresas participantes do Congresso.
 
Para a imprensa, ao todo, foram produzidos 16 releases, sendo 11 de projetos (um para cada exposto), um geral do evento e quatro regionais, com foco nos estados das unidades e empresas participantes. Além disso, foi feito um mapeamento com os principais veículos que cobrem inovação, tecnologia e negócios, construído um mailing qualificado e toda a interlocução com os jornalistas que atuam em redações. 
 
Nos dois dias de evento, a equipe de assessoria de imprensa realizou atendimento in loco junto aos repórteres presentes, antecipadamente convidados a visitarem o estande da EMBRAPII, como Márcio Gomes, da TV Globo, Priscila Yazbek, da Globo News, Thais Moura, do Correio Braziliense, Marcela Terra, da TV Cultura, Cleide Silva, do jornal O Estado de São Paulo, Renata Victal, da Revista Isto é Dinheiro, Estela Maris Benetti, do Diário Catarinense, Paula Carvalho de Lima, de O Povo (CE), Igor Duarte, da Rede TV, Dimas Soldi, da TV Brasil, dentre outros. 
 
Já nas redes sociais, foram produzidos 101 posts – entre vídeos, fotos e peças gráficas – distribuídos nas quatro redes sociais (Facebook, Instagram, LinkedIn e Twitter). 
 
É importante destacar que uma equipe de seis profissionais da Atelier esteve dedicada ao Congresso de Inovação, com o acompanhamento de montagem, os dois dias do evento e a desmontagem de tudo. A diretora da agência participou ativamente de todo processo. 
 
RESULTADOS
Cliente, empresas e Unidades EMBRAPII conseguiram um resultado muito positivo neste Congresso. Muitos contatos foram feitos e diversas reuniões agendadas. 
 
O resultado de imprensa pode ser constatado em diversos veículos de comunicação que destacaram os projetos inovadores expostos pela EMBRAPII em seu estande. Ao todo, foram 78 matérias na Imprensa nacional, desde o início dos trabalhos relacionados ao Congresso, em 17 de maio, até 19 de junho, todas avaliadas como positivas para a imagem da EMBRAPII. No período, foram mais de duas matérias por dia, em média, sendo 3 em jornais impressos, 5 em emissoras de TV, 1 em revista impressa e 67 em portais de notícias. 
 
O jornal O Estado de São Paulo foi um dos que abordou a participação da EMBRAPII no Congresso e destacou os projetos expostos, assim como a Revista Isto é Dinheiro que dedicou duas páginas sobre o assunto. TV Cultura, Rede TV e TV Brasil também foram destaques no clipping de notícias, pois escolheram os projetos EMBRAPII que mais se adequavam para suas matérias e abordaram o assunto de forma positiva. O Jornal Nacional, da TV Globo, utilizou em sua reportagem uma das tecnologias exposta no estande como exemplo de iniciativa inovadora. 
 
Após o evento, a assessoria de imprensa seguiu os trabalhos no monitoramento aos veículos de comunicação em diferentes mídias, regiões e abrangência no intuito de mensurar resultados e construir o clipping de notícias. 
 
Já os resultados das redes sociais alcançaram mais de 142 mil pessoas e os posts tiveram cerca de 4 mil curtidas e 540 compartilhamentos no total.

Recicla Sampa: cliente Atelier em assessoria de imprensa e produção de conteúdo

No mês de fevereiro, em São Paulo, foi lançado o Movimento Colaborativo Recicla Sampa, que tem como objetivo conscientizar os paulistanos a separarem o lixo domiciliar de duas formas: comum e reciclável. Baseado em uma plataforma online, o site Recicla Sampa fornece vídeos, tutoriais, jogos, materiais para impressão, reportagens, notícias e entrevistas, com o intuito de orientar os cidadãos de que é preciso aumentar a quantidade de materiais reaproveitáveis e diminuir o volume dos resíduos enviados aos aterros sanitários da capital paulista.

Resultado da parceria entre a Loga e a EcoUrbis, concessionárias de limpeza urbana de São Paulo, o Movimento conta com o apoio institucional da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), responsável pela regulação dos contratos de limpeza. O projeto atende a meta 24, do Plano de Metas da Prefeitura de São Paulo para 2020, que determina a redução, em quatro anos, de 500 mil toneladas de resíduos enviados aos aterros municipais.
 
A Atelier de Imagem e Comunicação atuou ativamente no projeto, sendo responsável pela assessoria de imprensa e pela produção de conteúdo da plataforma do Movimento. Como estratégia, foram mapeados diversos jornalistas, especialistas e entidades com conhecimento na área de sustentabilidade e meio ambiente, trazendo interesse e a atenção do público alvo da campanha.
 
Esta segmentação gerou, em apenas 22 dias, uma média de três matérias por dia antes do lançamento da plataforma. No total, foram 64 matérias na imprensa, incluindo mídias de grande alcance, como o jornal Folha de S. Paulo, a Rede Globo de televisão e a rádio CBN, que abordaram o assunto com destaque em seus principais noticiários.
 
A assessoria de imprensa se torna cada vez mais importante nos dias de hoje, já que as marcas precisam estar em evidência, brilhando os olhos do público. O assessor sabe disso e levanta os aspectos mais positivos do seu negócio, investe no seu potencial de inovação e suas vantagens frente aos seus concorrentes, transforma isso em um material de fácil entendimento e entra em contato com a mídia.
 
É a partir desse trabalho que a equipe discute os melhores formatos e as melhores abordagens para divulgar a pauta e propor matérias as equipes de redação, oferecendo diversas possibilidades, como pesquisa de personagens e porta-vozes e cuidando para que sua marca, empresa ou instituição seja tema principal do conteúdo a ser divulgado.
 
Estratégias utilizadas como a do Movimento Recicla Sampa realizada pela Atelier de Imagem e Comunicação podem ser o ponto chave para o seu negócio ganhar notoriedade e alcançar novos patamares.

Uma estratégia para as marcas chamada “CCXP”

A Comic Con Experience deixou de ser apenas um evento de entretenimento para se tornar um evento importante de negócios.
 
A CCXP 18 – Comic Con Experience 2018 aconteceu entre os dias 6 e 9 de dezembro, em São Paulo, e reuniu 262 mil visitantes de todo o país. Com mais de 100 marcas e 42 artistas internacionais para impressionar os fãs, tornou-se a maior feira de cultura pop do mundo. Junto com ela, as portas de um universo mágico se abriram: stands modernos, artistas famosos, cosplayers e produtos raros do universo nerd ficaram no holofote, transformando o evento em um paraíso de um público bem exigente e de todas as idades.
 
Se a programação rendeu diversas novidades a quem esperou o ano todo pelo evento, para as marcas essa é a grande oportunidade de se aproximar do seu público, entendendo suas necessidades, estreitando relacionamentos e descobrindo uma nova forma de se comunicar ou até mesmo de se reconectar com eles. Um exemplo disso foi o stand da Turma da Mônica, produzido pela Mauricio de Sousa Produções, que levou para o seu espaço de 270 m², alguns personagens de seis metros de altura impossíveis de não serem notados. Entre as atrações, o lançamento oficial do jogo eletrônico Mônica e a Guarda dos Coelhos, produzido pela brasileira Mad Mimic Interactive, foi a grande novidade da turminha que, com quase 60 anos de existência, retorna ao mundo dos games. Feito de fãs para fãs, a aventura multiplayer é uma ótima oportunidade de juntar os amigos e jogar com o seu personagem favorito dos gibis. Os participantes da CCXP puderam desbloquear o jogo durante o evento e jogar, pela primeira vez, com exclusividade.
 

 
Além disso, quem passou pelo stand, teve a oportunidade de vivenciar um clássico das histórias dos quadrinhos da Turma da Mônica: uma cabine forrada com pelúcias do Sansão, o coelhinho mais arremessado da história, estava disponível para que todos pudessem tirar fotos e postar em suas redes sociais.
 
Junto a essas experiências, não poderia ter faltado a presença ilustre do próprio Mauricio de Sousa, que distribuiu diversos autógrafos e sorrisos. Ele e toda a equipe da Mauricio de Sousa Produções, sabe da importância dessas ações para renovar sua comunicação com os mais diversos tipos de público.
 
Outro stand que apresentou novidades foi o do Grupo Globo, que utilizou a representação de uma plataforma de petróleo para divulgar a série Ilha de Ferro, uma produção brasileira que conta a vida de Dante (Cauã Reymond) na plataforma de petróleo e o conflito criado com a chegada da nova gerente Julia (Maria Casadevall), que pretende provar o seu valor ao trabalhar em um ambiente hostil. A nova série é um conteúdo exclusivo para a plataforma digital do grupo, a GloboPlay, que também anunciou a inclusão de 100 séries internacionais ao seu catálogo até o final de 2019, deixando para trás o modelo de apenas transmitir produções originais.
 
CCXP também é negócio!
 

 
O mercado de entretenimento e audiovisual só cresce. Sabendo dessa demanda por negócios, a CCXP criou o convite Unlock, que permitiu executivos, produtores e diretores terem acesso a painéis, bate-papos, entrevistas e outras regalias exclusivas para conhecerem as oportunidades de investimentos e empreendedorismo na área. As mesas de conversas contaram com nomes de peso como Google, Youtube, Cinemark e o atual Ministro da Cultura do Brasil, Sergio Sá Leitão. A credencial ainda permitia acesso ao happy hour de networking com profissionais da área, uma visita guiada pela montagem do evento e a apresentação da Geek Power 2018, pesquisa realizada para coletar e analisar o consumo dos amantes da cultura pop no Brasil.
 
Em tempos em que a internet bombardeia as pessoas com um alto volume de informações, saber se comunicar é a chave para criar e aprofundar o vínculo entre a marca e o público. As ações realizadas pela Maurício de Sousa Produções e pelo Grupo Globo, são alguns exemplos bem positivos: a Turma da Mônica que se torna jovem, vem buscar os filhos de seus fiéis fãs; já a plataforma GloboPlay, que mostrou em grande estilo que está em processo de transição, se espelha em grandes empresas como a Netflix, vivendo um novo momento de concorrência pelo serviço de streaming online. Além da nacional GloboPlay, a Amazon Prime, a Hulu e opções de canais televisivos como a HBO Go e o Telecine Play são formas de roubar a fatia do mercado praticamente monopolizado pela gigante no Brasil. E é dessa forma que a Comic Con Experience continua se provando como um grande evento, não só para a diversão, mas também como uma grande oportunidade de negócio.

Agência classificada!


 
A Atelier de Imagem e Comunicação está na segunda fase de votação para o Prêmio Top Mega Brasil.
Primeiramente, obrigada pelos votos. E agora é hora de irmos além. Precisamos votar mais uma vez!
A Atelier concorre nas categorias Nacional e Sudeste.
Nesta fase de votação, há opções pré-estabelecidas. É só selecionar “Atelier de Imagem e Comunicação” nas duas categorias e “Ronaldo Tenório” na categoria Nacional.
Importante: é preciso selecionar todas as opções antes de confirmar o voto.
Quem ainda não está cadastrado precisa enviar mensagem para premio@maxpress.com.br, identificando-se profissionalmente. A inclusão será automática e na remessa seguinte o interessado receberá link para votação.
Vamos lá, de novo?
 

WhatsApp cria a ferramenta Business

Com o objetivo de atingir as demandas das empresas de pequeno porte, novo aplicativo possui ferramentas de mensuração de estatísticas de fluxo de mensagens, podendo substituir e-mail.

 
Em janeiro de 2018, o Whatsapp disponibilizou para os usuários brasileiros sua nova ferramenta: o WhatsApp Business. Disponível somente para smartphones Android, o aplicativo é focado nas empresas em que o fluxo de mensagens ocorre na maior parte do tempo no celular, o que ajuda na aproximação da instituição com o cliente e isola o particular do profissional. Foi criado com o intuito de trazer mais legitimidade à empresa, criando um sistema prático e leve de comunicação com, claro, mais segurança ao público consumidor. Continue reading “WhatsApp cria a ferramenta Business”

Facebook muda algoritmo: fanpages menos relevantes, interações entre pessoas ganham importância

A sua empresa tem uma fanpage no Facebook? Má notícia para ela: Mark Zuckerberg anunciou em seu perfil, em 11 de janeiro, que nos próximos meses o algoritmo da rede social vai priorizar os posts de amigos e familiares em detrimento às publicações feitas por páginas.
Continue reading “Facebook muda algoritmo: fanpages menos relevantes, interações entre pessoas ganham importância”

A comunicação pensando primeiro

Empresas e instituições precisam estar preparadas para lidar com crises
Qualquer acontecimento fora da linha de atuação e interesse de alguma organização ou órgão, que abale financeiramente ou prejudique a imagem, é considerado crise. A repercussão negativa atrelado à marca é um problema para a empresa pois, para se reerguer financeiramente, é preciso que a notoriedade e a credibilidade estejam restabelecidas.
Na Atelier de Imagem e Comunicação, o trabalho de gestão de crise começa antes mesmo dela chegar.
Mas antes de pensar em crise…
Toda empresa precisa ser estruturada. Isso envolve o planejamento a curto, médio e longo prazo, sejam eles estratégicos, táticos ou operacionais.
Nos seus planejamentos estratégicos, as empresas precisam definir o que querem ser em 10 anos, quais focos, qual público atingir, abrir filiais. É necessário analisar, como a situação econômica por exemplo, mas o importante é focar no nome da empresa: quem é, o que faz, aonde quer chegar e o que considera importante. É preciso estabelecer metas e objetivos. Uma análise SWOT seria útil, pois com ela você coloca no papel fatores internos e externos da empresa: forças (strengths), fraquezas (weaknesses), oportunidades (oportunities) e ameaças (threats).
No planejamento tático podem ser definidas as tarefas que cada setor da empresa deve ter e o que fazer para atingir os objetivos propostos.  Nesta etapa, a assessoria de imprensa, marketing, publicidade e propaganda, setor financeiro e todas as equipes ligadas à produção passam a fazer parte do plano de ação da organização.
No operacional, são definidas todas as pessoas, cargos, funções nesse cargo e recursos financeiros. Com todas as metas estabelecidas, as chances de enfrentar uma crise são reduzidas.

Mesmo assim, aconteceu. E agora?
É hora de elaborar um comitê de crise, rever os planejamentos e elaborar um manual onde diversas ações serão preestabelecidas. Existem duas maneiras: o preventivo e o reativo.
O preventivo é quando o plano de gestão de crise já foi estabelecido antes mesmo dela chegar. Por meio de um comitê que inclui a assessoria de imprensa,  mapeiam-se todos os riscos com riqueza de detalhe. Um grupo de pessoas, com nome, cargo e telefone, é definido e tem função fixa durante uma crise. Este é o momento em que a assessoria de comunicação precisa pensar primeiro.
O reativo ocorre quando a empresa não possui um plano de gestão de crise. Assim, é necessário tomar medidas em um curto espaço de tempo com o objetivo de minimizar o problema da maneira mais rápida possível. Neste caso, é imprescindível que um porta-voz da empresa, treinado, esteja disponível para falar com a imprensa.

Conheça o Media Training
O media training é um treinamento para os porta-vozes de empresas para aprender a se comunicar melhor com os veículos de comunicação. Na Atelier de Imagem, é mediado pelo jornalista Francisco Viana pelo seu programa “De cara com a mídia”.
A importância de aprender os macetes da mídia é enorme: com pequenas dicas, a mensagem é passada de forma clara e objetiva, evitando equívocos que podem ser causados por vícios de linguagem, gaguejos ou má postura em frente à câmeras por exemplo.
Em uma crise, é necessário que a presença do líder seja sólida e o diálogo preciso, pois quanto menor for as falhas, melhor contribuição terá para a volta da imagem positiva da empresa. Para conhecer um pouco mais sobre gestão de crise da Atelier, clique aqui.

A produção e edição de vídeos

Abordagens na produção e edição de vídeos
Quando assistimos a um filme no cinema ou a uma propaganda passando na televisão, não sabemos ao certo o processo que há por trás do produto final.  As pessoas até imaginam que não é só de gravação que a produção de qualquer material audiovisual vive. Mas o que é preciso?
Solução Atelier: Produção de Áudio e Vídeo
Há muitos profissionais envolvidos e as etapas de produção de um vídeo precisam de um planejamento. Pensando assim, pode até parecer simples, mas não é como uma receita de bolo. Para cada caso, para cada vídeo, é necessário uma linha editorial diferente. Hoje, a Atelier de Imagem e Comunicação abordará sobre a propaganda, documentário, vídeos institucionais e como eles conseguem atingir seus objetivos.
 
Qual a diferença entre Propaganda e vídeo Institucional?
A propaganda tem a finalidade de vender uma marca, produto ou serviço. A estratégia é voltada para atrair o público consumidor desse produto com intuito de gerar retorno financeiro. Uma propaganda precisa ter um diferencial, algo que realmente convença o telespectador. Segundo o “guru” do marketing Philip Kotler, que também é professor universitário e reconhecido como um renomado teórico estrategista de prática de mercado, uma pessoa normalmente recebe 1600 impactos comerciais por dia, mas apenas 80 são percebidos e somente 12 provocam algum tipo de reação.

Portanto, a propaganda precisa sempre ter algo que fuja dos padrões para impactar o telespectador. Exemplo disso é uma ação recente da marca Lipton. Para divulgar seus novos chás, a empresa montou o maior jardim suspenso de São Paulo no Largo da Batata entre os dias 5 e 8 de Outubro deste ano. Quem estivesse passando por aquela região poderia tomar um chá a 30 metros de altura! A matéria pode ser acessada pelo link https://goo.gl/i7Ghn5
Já o vídeo institucional é uma peça de comunicação em formato de vídeo com intuito de divulgar uma empresa, ação ou marca. É feito pensando na valorização da imagem da instituição reforçando, assim, sua identidade. Segundo a consultoria americana Forrester, um minuto de vídeo equivale a 1.8 milhões de palavras! Significa que pode causar um impacto maior, atraindo mais clientes e fidelizando quem já faz parte da história da empresa. Pode ser utilizado para ser exibido em eventos, sites, instituições ou divulgado de forma interna para clientes e colaboradores.
Sendo assim, o vídeo institucional deve, em um curto espaço de tempo, abranger a empresa e seus principais produtos ofertados, funcionários, clientes, parceiros, público interno e público externo que pretendem atingir. Ele ajuda a interferir sobre o que o público pensa em relação à instituição, sendo menos direto que a propaganda, mas causando mais efeito quando se trata de promover uma empresa.
A montagem de qualquer vídeo exige um processo de junção semiótica, ou seja, o texto, desde o começo, deve casar com as imagens que serão produzidas, com a escala de planos e sequências de montagem das filmagens. Tanto para o documentário quanto para a publicidade, o roteiro é montado seguindo a mesma linha: o personagem ou objeto principal.
Em um documentário é necessário pensar, além do foco, qual a sensação que será passada. Em “O Brado Retumbante”, por exemplo, o resgate histórico feito pela Atelier de Imagem e Comunicação foi estruturado com uma série de entrevistas dando um ar leve mesmo se tratando de um assunto conturbado e sério: o processo de redemocratização do Brasil na ditadura.

 
A produção 
A produção exige muita organização. E para que tanto o documentário quanto a publicidade atinjam seus objetivos, a escolha de ângulos, locais e planos de filmagens são fundamentais. Às vezes, para divulgar os seus diferenciais, uma empresa pode optar por fazer uma série dividida em episódios, como foi o caso da Volkswagen.
A marca de automóveis lançou em 2017 uma websérie para divulgar os avanços tecnológicos de seus novos modelos. Divididos em 6 episódios, o projeto editorial girou em torno de duas séries: Blackmirror e Mr. Robot. O “01.09” conta a história do especialista em segurança digital Mario, que passa por um teste, sendo marcado com a inscrição 01.09. E com a ajuda de dois amigos, desvenda diversos mistérios. As cenas foram gravadas propositalmente para mostrar os novos modelos lançados no mercado. Se você quiser conferir a série, está disponível pelo link: https://0109.vw.com.br/.

O surgimento do jornalismo no Brasil

Durante o Brasil colônia, a produção de jornais era proibida. Diferente das outras nações latino-americanas, o país entrou no século 19 sem tipografia, jornais ou universidades. Neste sentido, também sem formação de um público leitor.
No entanto, o uruguaio Hipólito José da Costa, após frequentar e concluir estudos acadêmicos de Filosofia e Direito em Portugal, foi nomeado Diretor da Imprensa Régia pela coroa. Em 1802, viajou para a Inglaterra a procura de máquinas de escrever e equipamento de impressão. Mas, ao retornar para a colônia, foi preso pela inquisição por difundir ideais maçônicos.
Em 1805, Hipólito foge da prisão e exila-se em Londres. Funda, em 1808, o Correio Brasiliense. A primeira edição somou 108 páginas e mesmo com a proibição decretada em terras portuguesas, circulou de forma clandestina, tanto em Portugal quanto no Brasil. Foram aproximadamente 175 edições, agrupadas em 29 volumes durante 14 anos e 7 meses, ininterruptamente, de 1 de junho de 1808 a 1 de dezembro de 1822.
Mesmo editado e impresso em Londres, o Correio Brasiliense é considerado o primeiro jornal brasileiro, por tratar diretamente de temas, informações, economia, artigos e notícias relacionadas ao Brasil da época. Entre outras características, o jornal obteve periodicidade de circulação e um vasto número de edições.
Saiba mais: A Imprensa em transformação

Atualmente, segundo o último censo realizado pela Associação Nacional de Jornal (ANJ), em 2013, existem 4.786 veículos de notícias em circulação no Brasil.  Mas, foi somente em 1821, que o país teve o seu primeiro veículo de imprensa fora do controle governamental, com a criação do jornal Diário do Rio de Janeiro.
Entre 1875 e 1891 foram fundados diversos jornais importantes, datam deste período o jornal O Estado de S. Paulo, Gazeta de Notícias, Jornal do Brasil, entre outros.
Leia também: O que é Media Training?

A partir de 1925, com a fundação da Folha de S. Paulo, O Globo e Estado de Minas, começou uma terceira etapa no surgimento de novos veículos e jornais. Assim como a primeira revista brasileira jornalística, que tratava de política em formatos utilizados até hoje, O Cruzeiro, criada na década de 30 com circulação até 1975.
Outra relevante revista teve colaboradores de renome, como Carlos Drummond de Andrade, Rubem Braga, Manuel Bandeira, Fernando Sabino e Nelson Rodrigues. Trata-se da revista Manchete, que deixou as bancas de jornais em 2000. Outras grandes revistas, criadas neste período, continuam em circulação até hoje, como a Veja e a IstoÉ.
Assessoria de imprensa
Diferenças entre mídia e imprensa: As palavras mídia e imprensa, muitas vezes, são usadas como sinônimos. Mas, existem diferenças. A imprensa, por exemplo, é uma coletiva dos veículos de comunicação que atuam, principalmente, no jornalismo. Já mídia é um termo usado para definir os meios de comunicação, os canais de notícias.
Hipólito José da Costa: Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, jornalista nasceu na Colônia do Sacramento, Uruguai, em 13 de agosto de 1774, e faleceu em Londres, Inglaterra, em 11 de setembro de 1823.
Patrono da cadeira n 17 da Academia Brasileira de Letras (ABL), por escolha do fundador Sílvio Romero. Além de ser o único redator do Correio Brasiliense, foi autor das seguintes obras:
-Diário de minha viagem para Filadélfia (1798, publicado em 1955);
-Narrativa da perseguição, Londres (1811, 2 vols; publicado no Brasil em 1974, pela Associação Rio-Grandense de Imprensa e UFRGS);
-Cartas sobre a franco-maçonaria, Amsterdã, 1863.
Fale com a equipe da Atelier de Imagem e Comunicação.

O que é Media Training?

Com intenção de atrair a atenção dos veículos de comunicação, empresas aderem ao media training para aumentar a capacidade de se relacionar com os jornalistas
O Media Training, cujo termo significa treinamento de mídia, é uma técnica de como se relacionar com a imprensa, desenvolver posicionamento e como proposta inicial, reduzir conflitos. Serve para diminuir o nervosismo na hora de uma coletiva, inauguração de algum projeto de cunho midiático, se posicionar referente a câmeras e adquirir técnicas de entrevista, por exemplo.
No Brasil, a prática do Media training poderia reduzir consideravelmente o volume das crises que ocupam os jornais por falta de comunicação adequada, pois no processo de aprendizado, o porta-voz é submetido a cultura da mídia, ou seja, o dia a dia da imprensa e suas alterações no mercado. É um trabalho constante e um desafio permanente.
E por mais que o termo seja relativamente novo, essa prática surgiu com os sofistas na Antiga Grécia que, de cidade em cidade, ensinavam a população a viver em harmonia entre elas e com a natureza. Os romanos, ao enviar seus senadores para aprender a arte na oratória na Grécia, eram submetidos a falar para o mar e para a natureza. O objetivo? Transmitir credibilidade, atrair atenção, virar as costas aos improvisos e falar de memória, sem precisar recorrer às anotações.
 
O que é Media Training?
 
No Renascimento, quando surgiram os grandes movimentos populares na Europa, voltou-se a estudar retórica nas universidades. A fala profunda e respeitosa passou a ser sinônimo de estabilidade política. Nos tempos modernos, o direito autoral pertence aos americanos. E data do pós II Guerra Mundial no primeiro momento da atual globalização, era necessário aproximar-se de novas culturas e desvendar seus hieróglifos. Em síntese: partilhar conhecimentos. E o que é partilhar conhecimento senão transmitir confiança, falar com clareza e entender que ofensa não é argumento? Mas que fatos são argumentos? O Media Training nesse novo contexto se universalizou, ganhou nova dinâmica, significados e aproximou os homens.
 
O Brasil valoriza Media Training?
 
No Brasil, o Media Training é uma prática que vem ganhando força e enfrentou diferentes etapas: no passado, entre as décadas de 1970 e 1980, contribuiu para abrir as organizações privadas ao diálogo com a sociedade por meio dos veículos de comunicação. Havia interesse em se descobrir o mundo da mídia e como o reconhecimento por parte dela muda o mercado. Isso, de fato, acontece.
 
Media Training
 
Foi uma autêntica cruzada: organizar, participar e aprender no Media Training antigamente era uma festa. Um evento significativo. Levavam-se às vezes dois dias treinando e havia outras formas de treinamento, como o continuado, podendo envolver organizações inteiras.
Hoje, o Media Training é mais enxuto e tende a ser mais objetivo. Mas o seu significado se ampliou com a democracia. Quem faz Media Training organiza melhor as entrevistas, fala melhor, se porta adequadamente em frente às câmeras e passa as informações com clareza. E não apenas com a mídia, mas com as pessoas que são o corpo e a alma das organizações públicas e privadas.