A comunicação pensando primeiro

Empresas e instituições precisam estar preparadas para lidar com crises
Qualquer acontecimento fora da linha de atuação e interesse de alguma organização ou órgão, que abale financeiramente ou prejudique a imagem, é considerado crise. A repercussão negativa atrelado à marca é um problema para a empresa pois, para se reerguer financeiramente, é preciso que a notoriedade e a credibilidade estejam restabelecidas.
Na Atelier de Imagem e Comunicação, o trabalho de gestão de crise começa antes mesmo dela chegar.
Mas antes de pensar em crise…
Toda empresa precisa ser estruturada. Isso envolve o planejamento a curto, médio e longo prazo, sejam eles estratégicos, táticos ou operacionais.
Nos seus planejamentos estratégicos, as empresas precisam definir o que querem ser em 10 anos, quais focos, qual público atingir, abrir filiais. É necessário analisar, como a situação econômica por exemplo, mas o importante é focar no nome da empresa: quem é, o que faz, aonde quer chegar e o que considera importante. É preciso estabelecer metas e objetivos. Uma análise SWOT seria útil, pois com ela você coloca no papel fatores internos e externos da empresa: forças (strengths), fraquezas (weaknesses), oportunidades (oportunities) e ameaças (threats).
No planejamento tático podem ser definidas as tarefas que cada setor da empresa deve ter e o que fazer para atingir os objetivos propostos.  Nesta etapa, a assessoria de imprensa, marketing, publicidade e propaganda, setor financeiro e todas as equipes ligadas à produção passam a fazer parte do plano de ação da organização.
No operacional, são definidas todas as pessoas, cargos, funções nesse cargo e recursos financeiros. Com todas as metas estabelecidas, as chances de enfrentar uma crise são reduzidas.

Mesmo assim, aconteceu. E agora?
É hora de elaborar um comitê de crise, rever os planejamentos e elaborar um manual onde diversas ações serão preestabelecidas. Existem duas maneiras: o preventivo e o reativo.
O preventivo é quando o plano de gestão de crise já foi estabelecido antes mesmo dela chegar. Por meio de um comitê que inclui a assessoria de imprensa,  mapeiam-se todos os riscos com riqueza de detalhe. Um grupo de pessoas, com nome, cargo e telefone, é definido e tem função fixa durante uma crise. Este é o momento em que a assessoria de comunicação precisa pensar primeiro.
O reativo ocorre quando a empresa não possui um plano de gestão de crise. Assim, é necessário tomar medidas em um curto espaço de tempo com o objetivo de minimizar o problema da maneira mais rápida possível. Neste caso, é imprescindível que um porta-voz da empresa, treinado, esteja disponível para falar com a imprensa.

Conheça o Media Training
O media training é um treinamento para os porta-vozes de empresas para aprender a se comunicar melhor com os veículos de comunicação. Na Atelier de Imagem, é mediado pelo jornalista Francisco Viana pelo seu programa “De cara com a mídia”.
A importância de aprender os macetes da mídia é enorme: com pequenas dicas, a mensagem é passada de forma clara e objetiva, evitando equívocos que podem ser causados por vícios de linguagem, gaguejos ou má postura em frente à câmeras por exemplo.
Em uma crise, é necessário que a presença do líder seja sólida e o diálogo preciso, pois quanto menor for as falhas, melhor contribuição terá para a volta da imagem positiva da empresa. Para conhecer um pouco mais sobre gestão de crise da Atelier, clique aqui.